Pular para o conteúdo principal

Europa 8 x 0 Futebol Brasileiro


 
 
Depois da humilhação que o Santos passou ontem no Camp Nou, muitas piadas surgiram por parte dos rivais santistas, zombando-os pelo vexame frente ao Barcelona.
Sabemos que a rivalidade é um grande combustível para manter a chama da paixão pelo futebol viva no Brasil e no mundo e é muito importante mantê-la por vários fatores. Tirando a rivalidade e um certo sadismo dos demais torcedores de lado, mais uma vez o resultado da partida de ontem demonstra claramente a enorme distância do produto Futebol comercializado e produzido no Brasil e na Europa.
Antes de iniciar meu raciocínio, gostaria de deixar claro que os acachapantes 3 a 0 que a Seleção Brasileira aplicou na Espanha na final da Copa das Confederações não tem nada a ver com o que eu entendo como produto Futebol. Um jogo de futebol como aquela mágica final não serve para mensurar o que pretendo explanar a seguir e que por décadas pode ser o grande fator que induz ao falso pensamento que o Brasil é o país do Futebol.
Para deixar mais claro meu raciocínio vamos aos oito pontos extraídos de duas pesquisas da Pluri Consultoria e que demonstram a enorme distância entre Brasil e Europa:
 
1)      Entre as 100 maiores médias de público do planeta 77 são de clubes europeus *

2)      Os 24 primeiros do ranking são europeus*

3)      O Corinthians, primeiro brasileiro do ranking, time com cerca de 30 milhões de torcedores, está entre os 10 últimos e é o quarto em média de pública da América do Sul*

4)      Apenas 03 times do Brasil, sendo a segunda melhor média o Santa Cruz, clube da terceira divisão do campeonato Brasileiro, aparecem entre os 100 primeiros. O terceiro clube é o São Paulo*

5)      O primeiro clube não europeu é o americano Seattle Sounders, da liga Major League Soccer, que aparece na vigésima quinta posição*

6)      17 das 20 maiores taxas de ocupação dos estádios são de ligas europeias**

7)      O Campeonato Brasileiro é apenas o trigésimo primeiro em ocupação do estádio com 38.4% de ocupação em 2012 e os Americanos são o terceiro do mundo com 91% de ocupação**

8)      A segunda divisão da Alemanha e a segunda e terceira divisão da Inglaterra estão entre as 20 maiores taxas de ocupação do mundo**

          * Fonte Pluri – 100 clubes com a maior média de público do Mundo
          ** Fonte Pluri – Ranking Mundial de Ocupação do Estádios 

 

Ainda bem que o juiz apitou o final da partida, pois a goleada poderia ser ainda maior. 

Enquanto os clubes europeus estão expondo suas marcas e faturando com pré-temporadas e torneios preparatórios na Ásia, Oriente Médio e Estados Unidos, os clubes brasileiros desvalorizam seu produto ao não aproveitar este momento para fazer parte desta grande vitrine devido ao Calendário Brasileiro não se adequar ao Calendário Europeu.
 
Muitos dizem que esta é uma questão muito polêmica e de difícil solução, então porque não parar o torneio durante 15 dias, justamente neste período do ano para aproveitar a oportunidade e valorizar as marcas? 

Enquanto o campeão da Champions League, após vencer o principal e mais rico torneio de clubes do mundo comemorou o título em grandes festas na cidade e logo em seguida saíram de férias, o Atlético Mineiro tem que manter um alto nível de competição para evitar ficar na zona de rebaixamento e passar por uma humilhante goleada perante seu maior rival 4 dias após conquistar o maior título da sua história.  

Os jogadores são seres humanos que mereceriam desfrutar intensamente deste momento ímpar, mas ficam na encruzilhada entre relaxar, comemorar e ter que disputar partidas complicadas logo em seguida.  Seguindo o Calendário Europeu sairiam de férias após o título e teriam 40 dias de festas para torcedores e jogadores e não precisariam lidar com este conflito que passa em todo elenco e comissão técnica do Atlético. 

Enquanto Borussia Dortumund e Bayern de Munich fizeram um jogaço na disputa da Supercopa da Alemanha, num empolgante 4 a 2 que serviu como aperitivo do que a Bundesliga promete nesta temporada, Corinthians e São Paulo decidiram a Supercopa da América do Sul na mesma data da final da Taça Libertadores, jogo este que deveria ser na abertura da temporada. 

Ao invés de se abrir a temporada brasileira com uma Supercopa do Brasil em jogo único, somos obrigados a assistir jogadores em fase de pré-temporada se arrastando e se derretendo nos gramados durante o alto verão nos moribundos campeonatos estaduais. Imaginem Fluminense e Palmeiras abrindo a temporada de 2013 em um jogo único na segunda semana de Fevereiro com transmissão para todo o Brasil disputando uma taça logo na abertura da temporada? 

Porque o Ibope das transmissões de TV dos jogos do Campeonato Brasileiro estão tão baixas justamente quando se pagaram as maiores cotas de TV da história? 

Não adianta nada definir que temos um campeonato de turno e returno sem trabalhar bem o espetáculo com jogadores de qualidade que elevam o nível das partidas, mas que se motivam mais quando os estádios estão cheios e se os torneios tem enorme competitividade e disputa. Além disso, porque 80% dos jogos transmitidos são de Flamengo e Corinthians?  

Algo precisa ser mudado, pois apenas pagar caro e entregar um produto que não é percebido como de primeira pelo torcedor vai acabar custando caro para todos os envolvidos e as renovações futuras podem não ser dentro dos mesmos valores vigentes. 
 
Twitado após o jogo Barcelona 8 x 0 Santos

O problema do futebol brasileiro é sistêmico e precisam de medidas drásticas em várias frentes pois os 8 a 0 acima citados são fatos que deveriam alarmar os dirigentes do futebol brasileiro, mas não parece que causou nenhum alarde nessa gente. 

Os clubes brasileiros precisam entender que ganhar e perder deve ser apenas dentro do campo e todos devem se unir em busca de melhores negócios para o produto fora de campo, criando uma organização que cuide de todos os interesses comerciais, valorizando o produto e aumentando a exposição em outros mercados. Muitos dizem que uma Liga seria inviável neste momento, porque não criar um Departamento de Clubes dentro da CBF visando estes interesses?

Sou um grande defensor da criação da Liga de Futebol Brasileira para os clubes definitivamente tomarem as rédeas dos seus interesses e não dependerem dos mais de 40% das suas receitas provenientes de cotas de TV e depois reclamarem de tabelas, horários de jogos, priorização de clubes com mais ibope em detrimento de outros, etc.

Uma liga forte pode cuidar de toda a estratégia mercadológica do Produto Campeonato Brasileiro. Profissionais muito competentes para este trabalho não faltam, o que falta é vontade política para quebrar este ciclo vicioso. 

Para poder virar os 8 a 0, seguem abaixo algumas medidas que eu e os demais colegas que tivemos a honra de participar do Seminário : Calendário do Futebol Brasileiro preparamos:
 

1)      Adequação do Calendário Brasileiro ao Calendário Mundial

2)      4 semanas de férias

3)      5 semanas para pré-temporadas (incluindo excursões internacionais)

4)      4 semanas de parada dos campeonatos para Datas FIFA

5)      Clubes pequenos com calendário mínimo de 9 meses no ano

6)      Campeonato Brasileiro Séries A / B / C durante todo o ano em 36 semanas

7)      Clubes que disputam Séries A / B /C do Brasileiro não disputam Estaduais e Regionais

8)      Criação da Supercopa do Brasil para abrir a temporada

9)      Final da Copa do Brasil em jogo único fechando a temporada

10)   Criação dos regionais (Sul, Sudeste, Nordeste, Centro Oeste / Norte) classificatória para a Série C do ano seguinte

 
Acredito que com a criação de uma Liga que administre todos os interesses mercadológicos do produto Campeonato Brasileiro em todas as suas divisões e sub divisões, juntamente com as sugestões acima, o produto futebol no Brasil poderá atingir um outro patamar e evitar vexames dentro e fora de campo como os do momento atual. 
 

Choque de gestão em todos os segmentos que envolvem o futebol brasileiro já! 
 

 


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…