Pular para o conteúdo principal

A Vaquinha no Precipício



Gostaria de compartilhar a história abaixo para aqueles que estão passando por momentos de dúvidas sobre algumas medidas que devem ou não serem tomadas em suas vidas:
Um monge chinês e seu assistente vagavam pelo interior da China pregando em pequenos vilarejos.
Em um belo dia, quase na hora do almoço, os dois pararam em um pequeno e humilde sítio para pedir um prato de comida.
Os monges são respeitados na China, e por mais humilde que fosse a família, para qualquer pessoa era uma honra serví-los. E assim fizeram.
Ao final do almoço o monge perguntou ao dono da casa:
- Como vocês se sustentam?
O homem respondeu:
- Com o leite que nossa única vaquinha dá. Trocamos leite por mantimentos. É pouco, mas o suficiente para nos sustentar.
O monge e seu assistente se despedira e a família se recolheu para seus afazeres.
Em seguida o monge pediu ao seus assistente:
- Atire a vaquinha no precipício.
O assistente retrucou:
- Mestre, este é o único meio de subsistência deles. Como irão sobreviver?
O mestre insistiu:





Assim fez o assistente, mesmo contrariado.
Alguns anos se passaram e ambos novamente estavam na mesma região quando 
pararam para pedir comida.
Automaticamente o assistente se lembrou do fato ocorrido há um ano, e no local aonde estava a humilde casinha, o que ele viu foi uma bela fazenda, com plantações, gados, etc.
Ao baterem na porta da fazenda, para surpresa deles, quem abriu a porta foi o mesmo proprietário da humilde casinha.
Nesse momento o assistente perguntou:
- Há alguns anos estivemos nesse mesmo local e havia um pequeno sítio e uma vaquinha que sustentava a família com seu leite e agora vemos que existe uma próspera fazenda. O que aconteceu para essa transformação?
O dono respondeu:
- No dia seguinte a visita de vocês, nossa vaquinha sumiu e a encontramos morta no precipício. Devido à situação, tivemos que nos esforçar para buscar novas fontes de renda para nos manter vivos e percebemos que haviam muitas oportunidades que até então não percebíamos. Se não fosse por isso, até hoje estaríamos dependentes do leite que a vaquinha produzia.
Ao saírem da fazenda o monge disse ao seu assistente:
- Muitas vezes nos acomodamos e dependemos de uma vaquinha que dá o leite suficiente para nos manter vivos. Sem a vaquinha eles foram obrigados a se esforçar e conseguiram explorar todo o seu potencial que estava adormecido por causa do leite da vaquinha.

Como diz meu amigo e sócio Venceslau " Nada como um bom salário para acomodar o homem', ou como escreveu o mestre Guimarães Rosa em Grande Sertão, Veredas :"O animal satisfeito dorme".
No livro Não nascemos prontos! – provocações filosóficas de Mário Sérgio Cortella,  também temos algo a refletir sobre o tema:
O sempre surpreendente Guimarães Rosa dizia: “o animal satisfeito dorme”. Por trás dessa aparente obviedade está um dos mais fundos alertas contra o risco de cairmos na monotonia existencial, na redundância afetiva e na indigência intelectual. O que o escritor tão bem percebeu é que a condição humana perde substância e energia vital toda vez que se sente plenamente confortável com a maneira como as coisas já estão, rendendo-se à sedução do repouso e imobilizando-se na acomodação.A advertência é preciosa: não esquecer que a satisfação conclui, encerra, termina; a satisfação não deixa margem para a continuidade, para o prosseguimento, para a persistência, para o desdobramento. A satisfação acalma, limita, amortece.
Parafraseando o principal motivo do estopim dos protestos que invadiram o Brasil no mês passado:
Não é pelos 40% de multa rescisória, nem pelo plano de saúde ou o ticket restaurante. É pela possibilidade de sermos plenos, felizes e realizados na vida profissional que precisamos jogar nossas vaquinhas no precipício!!!
Caso contrário, podem jogar por você, em um momento em que você não estiver preparado para a queda.
Portanto, ou você se prepara para o tombo ou aguenta o tranco da queda.
Tomar essa decisão ou aguentar o tranco não é para os fracos!



O Nascimento do Novo Homem - Salvador Dalí

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…