Pular para o conteúdo principal

O Pé Esquerdo





Na última quinta-feira presenciamos mais um momento mágico na história do futebol.
Em um jogo equilibrado e emocionante, o Atlético Mineiro tentava de todas as formas buscar uma solução que evitasse com que o limitado e disciplinado time do Tijuana conseguisse por várias vezes furar a defesa atleticana.
Eis que aos 46 minutos do segundo tempo, após mais uma das tentativas do clube mexicano, o mundo parou dentro do Estádio Independência após o jogador do Tijuana ser derrubado na área atleticana.
Nesse momento, o que estaria passando na cabeça dos torcedores atleticanos e também nos demais espectadores da partida?
Até o apito inicial, tenho certeza que um filme com final feliz estava pronto na cabeça do atleticano como desfecho esperado e previsível da partida. São nesses momentos que podemos tirar várias reflexões e metáforas desse jogo apaixonante e que já foram repetidas vezes mencionadas por pensadores e jornalistas: “O futebol imita a vida”.
E mais uma vez a metáfora da vida se fez presente.
Estava tudo preparado para mais uma situação em que o melhor time, com a vantagem de um empate de 1 x 1, com os melhores jogadores e que estava sendo exaltado por todos como o melhor futebol praticado na América do Sul, não iria sofrer sobressaltos para se classificar contra os mexicanos.
Por outro lado, os mexicanos do Tijuana, reconhecendo sua inferioridade técnica, iriam explorar os pontos fracos do adversário e os pontos em que poderiam ser melhores que o Atlético.
Quando a bola rolou em Belo Horizonte, desde o primeiro minuto, o que se viu foi mais um exemplo de como no futebol como na vida, tudo pode acontecer, e quando não estamos preparados para adversidades, podemos colocar tudo a perder.
O mais preparado, o mais forte, sentiu o golpe e demonstrou que não era tão forte assim mentalmente, assim como o mais fraco conseguiu mostrar que tinha condições de superar o adversário.
Nada tão antigo como David e Golias.
Em quantas situações da vida experimentamos os dois lados dessa moeda?
Isso comprova que nada está definido, como um programa de computador, mas sim tudo pode acontecer.
Nessas horas, os mais preparados mentalmente se destacam, pois tanto na vida como no futebol, podemos por tudo a perder quando pensamos que nada irá nos impedir de conseguirmos o que queremos nas relações pessoais e profissionais. Esquecemos muitas vezes, devido à nossa arrogância, prepotência e ignorância dos fatos, que na vida tudo pode acontecer, mesmo que as chances de sermos surpreendidos sejam mínimas.
Durante a fração de segundos entre a falta de Leonardo Silva até o apito do juiz, tenho certeza de que muito do que foi escrito acima passou pela cabeça de quem estava vivenciando as emoções daquele jogo.
Com o pênalti marcado, o céu virou inferno para os já aflitos atleticanos, e a esperança virou realidade para os mexicanos.
Sofrimento, esperança, desespero, alegria, tristeza, glória.
Todos os sentimentos que só o ser humano pode sentir afloraram naqueles segundos entre o apito do juiz e a batida do pênalti.
O jogador Riascos do Tijuana tinha tudo para sacramentar o desfecho que parecia previsto a acontecer, pois o Tijuana merecia ganhar a partida.
Esse lance capital da partida também serve como exemplo do que podemos enfrentar em nossas vidas, em infinitas situações. Mais uma vez a grande montanha russa que é a nossa existência humana, com seus altos e baixos, sustos, emoções, esperanças e um mosaico infinito de emoções, mostrou o porquê  tudo pode acontecer.
Naquele momento, o Tijuana virou Atlético e vice-versa.
Como um milagre vindo do céu, Riascos bateu mal o pênalti e Victor, mesmo adiantando um pouco, com o pé esquerdo defendeu a bola, despertando os mesmos sentimentos de antes da batida do pênalti, mas agora invertendo os atores.
Sofrimento, esperança, desespero, alegria, tristeza, glória.
O Atlético Mineiro se classificou graças ao goleiro Victor, que virou o herói, mas também graças ao único momento em que o Tijuana, de verdade, estava com a responsabilidade e a possibilidade de definir para si o resultado. Demonstrando que em momentos decisivos, somente os mais preparados se superam e se destacam.
O acaso pode acontecer e definir alguns desfechos de nossas vidas, mas ao olharmos toda uma trajetória de existência da vida de cada um de nós, de empresas, clubes de futebol ou qualquer organização, podemos perceber que os mais preparados conseguiram sobreviver, teoria que Charles Darwin detalhou muito bem na sua Teoria da Evolução.
Como mensagem final, uma grande homenagem ao artista da vida Christy Brown, que somente tendo seu pé esquerdo com movimentos em todo seu corpo, conseguiu o que ninguém esperava de um ser humano, ser artista plástico, poeta e escritor, conquistando a admiração de toda sociedade e da humanidade pelos seus feitos.
Os pés esquerdos de Victor e  de Christy Brown têm muito a nos ensinar como mensagem de vida e que deixamos de refletir por termos os mesmos comportamentos que a torcida e os jogadores do Atlético Mineiro durante grande parte da nossa vida.
O juiz acabou de apitar um pênalti na sua vida. Pausa para reflexão........


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…