Pular para o conteúdo principal

Reflexões da Semana


O Pensador - Auguste Rodin


Após estar iniciando meus primeiros passos no negócio de Gestão do Esporte e ter participado do seminário " Calendário do Futebol Brasileiro"  nos dias 25 e 26 de março, seguem algumas conclusões :

1) Não se pode esperar nenhuma mudança em qualquer time do mundo em 2 meses de mandato

2) Não se pode esperar uma radical e profunda alteração do cenário atual em qualquer time do mundo com mandato de 2 anos

3) Sem dinheiro vindo de investidor/ patrocinador, um clube deficitário não pode gastar mais do que arrecada

4) Sem finanças em dia não se pode fazer projeto de médio ou longo prazo

5) Não se faz futebol nos dias de hoje sem mudar o perfil de 90% dos que vão ao campo para torcedor consumidor

6) Não se cria um verdadeiro e genuíno vínculo com seu torcedor consumidor sem conhecer seus hábitos e preferências e sem envolvê-los em grande parte da decisões

PS: eu disse torcedor consumidor, não sócio do clube social


7) Não se pode gastar 23 datas do calendário atual para disputar campeonatos estaduais

8) Não se pode esperar jogos de alto nível sem pré temporada de 4 semanas com jogos quarta e domingo durante todo o ano

9) Não se pode esperar uma mudança muito drástica no calendário do futebol brasileiro para os próximos 3 anos devido aos contratos assinados com as TV´s

10) Não se pode exigir demissão de técnico após uma goleada se ele está atingindo as metas acordadas com os seus líderes

11) Não se pode exigir, de nenhum profissional, alta performance em ambiente que impera o caos administrativo, financeiro e moral

12) Sem metas claras de médio e longo prazo bem definidas e desafiadoras, não se chega a lugar nenhum

13) O futebol brasileiro em todos os seus níveis, não tem metas claras de médio e longo prazo graças a 90% dos atuais "gestores" que ainda imperam no segmento

14) Existem dirigentes, alguns jogadores e muitos profissionais que ainda não atuam no segmento, que concordam que o atual modelo do futebol brasileiro está falido e exigem mudanças

15) Se não mudar logo o cenário, em médio prazo o futebol brasileiro vai ficar para trás no sentido amplo da palavra

16) Não adianta construir arenas se o negócio não for sustentável a longo prazo e os serviços permanecerem os mesmos dos estádios antigos

17) Não adianta construir arenas se a média de ocupação anual nos jogos de futebol seja no mínimo 50% 

18) As mudanças que tanto esperamos no cenário atual do futebol brasileiro vão ocorrer em médio prazo

19) Os treinadores do futebol brasileiro estão defasados e não querem mudanças drásticas para não exporem suas fraquezas 

20) Eu acredito na nova geração de profissionais que vão conseguir mudar o cenário atual e vou fazer parte atuante no processo de mudanças

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…