Pular para o conteúdo principal

Onde está o Futebol?



A temporada do futebol no Brasil está completando 2 meses e o que vemos nos gramados são jogos sem graça, quase sem grandes disputas, parecendo que os clubes ainda estão em pré-temporada.
Com exceção do Galo Mineiro com Bernard arrebentando e tendo Ronaldinho Gaúcho como parceiro, os outros clubes que encerraram o ano de 2012 em destaque ainda estão devendo em 2013.
Como apaixonado por futebol, mas também ainda lambendo as feridas e com esperança que o processo de reconstrução do meu grande Palmeiras logo se transforme em realidade dentro de campo, ando em um período melancólico com relação aos jogos de futebol no Brasil.
Ao mesmo tempo vejo Barcelona, Real Madrid, Bayern de Munique, Borussia Dortumund, Manchester United e Juventus jogando, cada um ao seu estilo, um futebol consistente e eficiente, alinhando técnica e aplicação tática, cada um com equilíbrios diferentes, mas sempre transformando o jogo de futebol em algo mais, transcendendo para o lúdico, que é o que desperta o prazer do ser humano nesse mágico jogo.
Por que esses clubes europeus e os vários torneios que disputam durante o ano estão cada vez mais roubando a cena do cenário mundial, enquanto no Brasil assistimos a no mínimo 60% das partidas da temporada sendo disputadas por equipes mistas, reservas ou em jogos que são disputados quase como amistosos devido ao pouco interesse no que está em jogo?
Uma pergunta que não terei a ousadia de responder em um único post, mas em minha opinião um dos motivos para essa situação é que, diferentemente dos clubes europeus citados acima, aqui no Brasil e na América do Sul os clubes não possuem um projeto, um estilo, um objetivo de longo prazo. Tudo se resume ao futebol de resultados.
Quantas derrotas são motivos para se mudar tudo, mesmo que o que estava planejado estava sendo executado?
Quantas conquistas também são motivos para encobrir trabalhos que estão totalmente desestruturados, distorcidos?
Os clubes no Brasil, como reflexo da atual sociedade fast fashion, não valoriza os projetos, não aceitam processos de reestruturação como Flamengo e Palmeiras iniciaram.
Tudo é para já, para ontem, como que num passe de mágica todas as mazelas das péssimas gestões passadas sejam jogadas para debaixo do tapete e que estes mesmos clubes se transformem em máquinas de jogar futebol em 2 meses.
Ao mesmo tempo tenho a impressão que os clubes no Brasil têm um prazo de validade curtíssimo, sem que possamos desfrutar de bom futebol, de bons jogos, de torneios que tenham mais de 70% dos seus jogos sendo disputados em bom nível, sem muitas faltas, sem simulações, com os estádios cheios.
Onde está o futebol do Campeão do Mundo de 2012, do Campeão Brasileiro e dos outros clubes do tão valorizado G4 do Brasileirão?
Parafraseando meus amigos da banda Ronaldo e os Impedidos, Onde está o Futebol?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…