Pular para o conteúdo principal

Onde está o Futebol?



A temporada do futebol no Brasil está completando 2 meses e o que vemos nos gramados são jogos sem graça, quase sem grandes disputas, parecendo que os clubes ainda estão em pré-temporada.
Com exceção do Galo Mineiro com Bernard arrebentando e tendo Ronaldinho Gaúcho como parceiro, os outros clubes que encerraram o ano de 2012 em destaque ainda estão devendo em 2013.
Como apaixonado por futebol, mas também ainda lambendo as feridas e com esperança que o processo de reconstrução do meu grande Palmeiras logo se transforme em realidade dentro de campo, ando em um período melancólico com relação aos jogos de futebol no Brasil.
Ao mesmo tempo vejo Barcelona, Real Madrid, Bayern de Munique, Borussia Dortumund, Manchester United e Juventus jogando, cada um ao seu estilo, um futebol consistente e eficiente, alinhando técnica e aplicação tática, cada um com equilíbrios diferentes, mas sempre transformando o jogo de futebol em algo mais, transcendendo para o lúdico, que é o que desperta o prazer do ser humano nesse mágico jogo.
Por que esses clubes europeus e os vários torneios que disputam durante o ano estão cada vez mais roubando a cena do cenário mundial, enquanto no Brasil assistimos a no mínimo 60% das partidas da temporada sendo disputadas por equipes mistas, reservas ou em jogos que são disputados quase como amistosos devido ao pouco interesse no que está em jogo?
Uma pergunta que não terei a ousadia de responder em um único post, mas em minha opinião um dos motivos para essa situação é que, diferentemente dos clubes europeus citados acima, aqui no Brasil e na América do Sul os clubes não possuem um projeto, um estilo, um objetivo de longo prazo. Tudo se resume ao futebol de resultados.
Quantas derrotas são motivos para se mudar tudo, mesmo que o que estava planejado estava sendo executado?
Quantas conquistas também são motivos para encobrir trabalhos que estão totalmente desestruturados, distorcidos?
Os clubes no Brasil, como reflexo da atual sociedade fast fashion, não valoriza os projetos, não aceitam processos de reestruturação como Flamengo e Palmeiras iniciaram.
Tudo é para já, para ontem, como que num passe de mágica todas as mazelas das péssimas gestões passadas sejam jogadas para debaixo do tapete e que estes mesmos clubes se transformem em máquinas de jogar futebol em 2 meses.
Ao mesmo tempo tenho a impressão que os clubes no Brasil têm um prazo de validade curtíssimo, sem que possamos desfrutar de bom futebol, de bons jogos, de torneios que tenham mais de 70% dos seus jogos sendo disputados em bom nível, sem muitas faltas, sem simulações, com os estádios cheios.
Onde está o futebol do Campeão do Mundo de 2012, do Campeão Brasileiro e dos outros clubes do tão valorizado G4 do Brasileirão?
Parafraseando meus amigos da banda Ronaldo e os Impedidos, Onde está o Futebol?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…