Pular para o conteúdo principal

Us and Them Reloaded



Em dezembro do ano passado fiz um post comparando o Palmeiras com o nosso arquirrival, tirando algumas conclusões.
Aproveitando a polêmica negociação entre Palmeiras e Grêmio, mais os 5 jogadores que foram contratados pelo Palmeiras nas últimas duas semanas, gostaria de mais uma vez fazer um comparativo com o nosso maior rival, que saiu do inferno e chegou a paraíso em 5 anos.
Muitos Palmeirenses estão questionando a qualidade técnica dos novos contratados e , com isso, colocando em dúvida as chances do Palmeiras subir com tranquilidade em 2013.
Para embasar melhor nossos torcedores, gostaria de dar maiores subsídios para que essa discussão seja menos passional e mais racional, fazendo com que o Palmeirense, juntamente com o choque de gestão que Paulo Nobre está começando a realizar como presidente do Palmeiras, tenha consciência do choque de realidade que devemos encarar em 2013.
O time base do nosso rival que foi rebaixado em 2007 era:
Felipe;  Amaral, Betão, Fabio Ferreira e Gustavo Nery;  Bruno Octávio, Carlos Alberto,  Vampeta e Everton Ribeiro;  Finazzi e Lulinha.
Técnico: Nelsinho Batista
O time base que subiu em 2008 era:
Felipe;  Alessandro, Chicão, William e André Santos;  Elias, Cristian, Douglas e Morais; Dentinho e Herrera.
Técnico: Mano Menezes
O goleiro Felipe foi o único titular que permaneceu durante o ano de 2008, os outros 10 jogadores mais o técnico foram trocados.
Portanto, como o atual momento do Palmeiras, foi necessários mudar radicalmente os jogadores para apagar o fiasco do ano anterior e criar uma nova história com novos  jogadores e treinador.
Como é possível perceber, Chicão e Alessandro permanecem como titulares até 2013 e Douglas, depois de sua saída em 2009, voltou ao clube em 2012.
O ponto chave para essa análise é a origem dos outros 10 titulares que fizeram parte do time que subiu para a série A em 2008. Segue abaixo os clubes que esses jogadores jogavam antes de serem contratados pelo Corinthians e o momento que atravessavam:
Alessandro:  dispensado pelo Santos no início de 2008. Pela gíria do futebol, refugo.
Chicão: era capitão e um dos destaques do Figueirense.
William: era homem de confiança do treinador Mano Menezes quando jogava pelo Grêmio.
André Santos: era destaque do Figueirense como lateral esquerdo.
Elias: após jogar em vários clubes sem se firmar, se tornou um dos destaques da Ponte Preta em 2007.
Cristian: reserva do Flamengo. Pela gíria do futebol, refugo.

Morais: reserva do Vasco e considerado problemático. Pela gíria do futebol, refugo.
Douglas: destaque do São Caetano em 2007.
Dentinho: categoria de base do Corinthians.
Herrera: após fracassar no Real Sociedad, voltou para a Argentina onde jogou 2 jogos pelo San Lorenzo, foi emprestado ao Gimnasia La Plata onde jogou por 3 meses. Pela gíria do futebol, refugo.
Portanto, o tão badalado Corinthians de 2012, teve na sua reconstrução 4 jogadores considerados refugo, 3 jogadores que eram destaques em equipes médias do Brasil, um homem de confiança do treinador e um jogador proveniente das categorias de base.
Será que em fevereiro de 2008 os torcedores dos nossos arquirrivais estavam otimistas com relação às possibilidades de subirem para a série A com sobras, e que em 2009 seriam responsáveis pela mais impactante contratação do futebol brasileiro dos últimos anos?
Será que eles achavam que com a base de 2008, mais Ronaldo e Jorge Henrique, seriam campeões Paulistas e da Copa do Brasil em 2009, atraindo um dos maiores investimentos de patrocinadores do Brasil?
Para seguir o mesmo raciocínio, vamos relembrar o time base do Palmeiras rebaixado em 2012:
Bruno; Artur, Henrique, Maurício Ramos e Juninho; Marcos Assunção e Marcio Araújo; Maikon Leite, Valdívia e Luan; Barcos.
Técnico: Gilson Kleina.
Agora vamos analisar o provável time base somente considerando os jogadores que fazem parte do atual elenco do Palmeiras:
Fernando Prass; Weldinho, Henrique, Vilson, Marcelo Oliveira;  João Denoni  e Souza; Wesley, Valdívia e Leandro; Kleber.
Técnico: Gilson Kleina.
Portanto, temos apenas 2 jogadores titulares que devem permanecer no time base de 2013 e vários jogadores que estão chegando como interrogações / refugos. A diferença para o Corinthians de 2008 é que não existe nenhum jogador que era destaque das suas respectivas equipes em 2012.
Será que com esses jogadores teremos condições de montar uma boa base para disputar a série B?
Ainda existem algumas negociações em andamento, uma delas ainda uma pendência da transação envolvendo a venda de Barcos ao Grêmio.
A série B começa em maio, e esperamos que durante o Campeonato Paulista e a Copa Libertadores, seja possível montar um time base forte e competitivo, para que o Palmeiras possa disputar a série B com tranquilidade, e aproveitar essa força para poder disputar a Copa do Brasil com chances de conquista.
Durante os próximos meses pretendo voltar ao tema para fazer as correções necessárias.
Boa Sorte Palmeiras!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…