Pular para o conteúdo principal

Por quem os Sinos Dobram




“Nenhum Palmeirense é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula da torcida, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, todo o Palmeiras fica diminuído, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer Palmeirense diminui-me, porque sou parte do time. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

Que o grande poeta inglês John Donne me perdoe ao tentar parafraseá-lo, mas é com seu célebre poema que eu busco inspiração e força para escrever nesse momento de dor e sofrimento.

Ernest Hemingway bebeu dessa fonte para escrever sua obra prima “Por Quem os Sinos Dobram”, portanto não serei o primeiro a usurpar do mestre as linhas acima descritas.

Palmeirenses, chegou a hora de acabar com a “tironia” que está impregnada dentro do nosso clube. Chega da vergonha, conchavos, apertos de mão falsos e oportunistas de todos os que bebem dessa água que jorra das entranhas da Turiaçú e que está apodrecendo a alma dos atuais conselheiros do Palmeiras.

Desde os anos 70 estamos morrendo lentamente, devido a esse espírito de homens fracos que até os dias atuais dominam o conselho do Palmeiras.

Mais dois anos nessas condições e estaremos mortos e enterrados pela “tironia”.

Como nosso grande Raulzito já profetizou há mais de 30 anos, replico sua mensagem aos Palmeirenses do bem:

Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz
Coragem, coragem, eu sei que você pode mais





O Palmeiras precisa ser libertado desse estado de letargia e precisamos de Palmeirenses de verdade, com muita coragem, hombridade e força para combater o status quo atual.

Por isso eu serei candidato ao conselho em 2013 juntamente com ilustres Palmeirenses que estão engajados nessa batalha na Chapa Fanfulla.

Nossas armas são a contestação, o enfrentamento da “tironia”, a luta pelo debate construtivo, por um Palmeiras forte, para resgatar os verdadeiros valores Palmeirenses, que nos acompanham desde a data de sua fundação em 1914 e que ainda batem forte no peito dos verdadeiros Palmeirenses, mas que, infelizmente, estão adormecidos no atual momento.

Seguindo o espírito que Hemingway tão bem representou através de Robert Jordan, nossa luta contra os Tirones já começou e não terá volta.

Seguiremos a nossa missão até a morte em busca de destruir as pontes que estão destruindo o Palmeiras, através da urgentíssima necessidade de mudar radicalmente o modelo de “gestão” atualmente instalado dentro do clube.

Construiremos novas pontes através das reformas estatutárias que, pelo amor ou pela dor, serão escritas com sangue verde branco pelo novo Presidente e os novos Conselheiros,  para colocar o Palmeiras no século XXI em termos de profissionalismo e gestão.

O Palmeirense definitivamente é um forte. Vamos juntos destruir as pontes que atualmente alimentam o Palmeiras com o pensamento pequeno e ultrapassado que ainda lutam para se manter no poder.

Torcedor Palmeirense será no Conselho onde a luta nos aguarda, pois sabemos muito bem o que vem pela frente. Transformaremos nossa lealdade em padrão e iremos levar de vencida e mostrar aos atuais conselheiros, que o Palmeiras sempre será o Campeão.

Que o peso da grande banda Metallica seja o mais leve possível que os atuais conselheiros vão escutar à partir desta data.




Comentários

  1. Parabéns pelo texto, ainda que a emoção fale alto, há sobriedade e, pior, fatos!

    Se quem governa o verde tivesse seu coração, não estaríamos na situação em que estamos!

    Sorte sempre, Bense, que seu sonho se realize e que os sinos dobrem a nosso favor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…