Pular para o conteúdo principal

The Hangover





13 de Junho de 2012
O inverno ainda não havia chegado ao Brasil, mas Arnald, atual presidente de um famoso clube de futebol brasileiro, sentia na pele o longo e tenebroso inverno que era a falta de títulos nacionais. Ele era chamado de Banana de Pijamas, carinhosamente abreviado como B1 pela torcida pela forma como sua gestão estava sendo conduzida. O que deixava a torcida preocupada era a falta de perspectiva de mudanças de curto prazo e também de um projeto de longo prazo para transformar novamente seu time em uma das potencias do futebol brasileiro, posição essa que durante todo o século XX foi o lugar que seu time sempre esteve, sendo até intitulado como o Campeão do Século.
Seus principais assessores e homens de confiança eram seu vice-presidente de futebol, Robert, o gerente de futebol Cesar e o grande coach Phill.
Robert, carinhosamente chamado de B2 pela torcida do Palmeiras e também dono de uma loja de comida árabe em São Paulo, também estava sofrendo uma forte cobrança e críticas pelo desempenho da atual equipe de futebol nos últimos dois anos.
Cesar, ex ídolo do clube nos anos 90, veio no final de 2011 para apaziguar problemas de relacionamento dos jogadores, assumindo o cargo de Gerente de Futebol. Seu estilo calmo e a credibilidade que a torcida tinha com ele lhe deram uma posição de menor pressão, mas também com forte cobrança para tentar colocar as coisas no eixo e efetuar as contratações e planejamento necessário para o time.
Phill, o velho coach responsável pelas principais conquistas do clube no final dos anos 90 e que tinha uma forte carisma perante a torcida, já estava  quase dois anos na frente do comando técnico, mas os resultados até então eram decepcionantes. Ele já estava sendo chamado de ultrapassado por parte da imprensa e da torcida. Uma parte dos conselheiros também pedia sua demissão.
Nesse clima de forte pressão o time viajou para Porto Alegre para disputar a semifinal da Copa do Brasil contra o tricolor gaúcho. Para 99% da torcida do e para a imprensa esportiva, a eliminação do time de Arnald era eminente. Os dois jogos que seriam disputados eram somente uma questão de cumprir tabela para comprovar na prática a eliminação do time de Arnald.
Antes de saírem para o jogo Arnald chamou ao seu quarto hotel seus três homens de confiança para uma conversa privada. Os quatro se reúnem num clima de muita apreensão e dúvidas sobre os possíveis desdobramentos desse jogo.
Todos estavam sem saber exatamente como resolver as coisas caso a eminente eliminação realmente se concretizasse, ainda mais com o time na zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. O time tinha um elenco limitado e os resultados em campo não estavam aparecendo. Caso o time fosse eliminado na semifinal, o clima ficaria muito pesado e o risco de rebaixamento ficaria muito alto, pois a autoconfiança de todos ficaria muito baixa, afetando profundamente o desempenho da equipe até o final do ano.
Percebendo esse estado de espírito e os maus presságios que o atual momento trazia, o velho Phil tirou de sua bolsa para guardar os apetrechos de chimarrão, típica bebida do seu estado natal, quatro pílulas verdes. Os outros três ficaram sem saber exatamente o que eram aquelas quatro pílulas.
Arnald e Robert ficaram sem saber o que fazer, reação típica da dupla que fazia jus aos apelidos de B1 e B2.  Cesar, envangélico convicto, fez o sinal da cruz.
Phill, com sua sabedoria aprendida durante os mais de 30 anos de carreira de coach abriu uma garrafa de vinho da região de Bento Gonçalves. Quatro taças de vidro, já que de cristal não fazia parte dos utensílios do hotel, foram alinhadas na mesa da ante sala da suíte presidencial.
O silêncio imperava naquele momento.
A garrafa foi aberta de uma forma rude por Phill. O som da rolha ecoou por toda a cidade de Porto Alegre e ressoou como uma bomba na cabeça dos três comandantes. O aroma frutado misturado com traços de barril de carvalho foi automaticamente sentido por todos, sem que fosse necessário ser um somelier.
O líquido de vermelho rubi forte foi colocado lentamente, como que por um alquimista, em cada uma das taças alinhadas bem a frente de cada um dos integrantes daquela reunião. O ritual podia começar.
Phill entregou lentamente um comprimido para cada um e com sua forma rude e direta de se comunicar disse:
- Ponham na língua o comprimido e tomem um gole longo de vinho tchê!!!
O estilo de comando de general de Phill fez com que os três os obedecessem como crianças recebendo ordens dos pais. Automaticamente os três tomaram a pílula sem saber exatamente o que ela iria causar em todos.
Phill, sabendo que as três pílulas não seriam suficientes para conseguir o efeito esperado, colocou uma pílula verde juntamente com os comprimidos de vitaminas dos jogadores para que eles tomassem juntamente com as outras cápsulas previamente determinadas pelo straff médico da equipe.
À partir daquela noite de 13 de junho de 2012, o que poderia ser possível de ser feito para mudar os rumos daquele time já estava feito. Agora era só aguardar os resultados.

12 de Julho de 2012


Em seu quarto de hotel em Curitiba, com muito barulho em todos lugares do hotel, Arnald acorda de um rápido sono e depara que na mesa da ante sala da suíte presidência estava a Copa do Brasil. Arnald demorou minutos para entender o que aquela taça fazia em seu quarto.  Mais uma vez uma reação típica do seu apelido. Aos poucos ele resolveu se aproximar e vê os times que conquistaram essa Copa desde 1989 e cronologicamente vai acompanhando todos os títulos. Ele e depara com o distintivo do seu clube gravado no ano de 1998. Se recorda daquele time que era muito diferente do atual, mas também era comandado pelo velho Phill.

Aos poucos ele vai vendo as demais placas e, de repente, Arnald fica em estado petrificado. O que ele acabara de ler o deixou em estado catatônico. Bem na sua frente ele via a seguinte placa:

Palmeiras – Campeão da Copa do Brasil de 2012

Arnald não entendia como aquilo poderia estar acontecendo. Ele olhou em seu relógio importado e viu a data de 12 de julho de 2012.

Ele pensara, “ O que aconteceu nesses últimos 30 dias?  Como pode estarmos 30 dias depois daquele dia que estávamos reunidos em Porto Alegre?

De repente seus assessores, jogadores e puxa sacos invadem seu quarto com as faixas de Campeão, todos gritando para ele se apressar, pois o vôo de retorno era as 6:50h e que teriam que fazer um desfile em carro aberto quando chegassem em São Paulo.

Robert estava junto com os demais, também sem saber o que estava acontecendo, mas nesse momento estava comemorando, já com uma faixa de Campeão pendurada no corpo, gritava É Campeão, É Campeão””, mas não tinha a menor noção do que realmente acontecera nos últimos 30 dias.

Chegando ao aeroporto a dupla B1 e B2 percebeu o número de torcedores totalmente embriagados mais pelo conquista do título do que pelo álcool, que viraram a noite comemorando essa conquista que estava mudando os rumos do clube para 2012 e 2013.

Arnald, ao ser até reverenciado pela torcida, mas totalmente sem noção do que realmente estava acontecendo, mas com o ego já inflado pela conquista, já começou a imaginar os possíveis bônus dessa conquista que ele nem sabia como tinha acontecido.

- Independentemente  de como isso tudo aconteceu agora eu vou tentar me reeleger. Não vou perder essa oportunidade – disse ele.

Pensamento que como telepatia, também foi o mesmo de Robert ao se entreolharem no saguão do aeroporto Afonso Pena. Eles não sabiam como tudo aquilo aconteceu, mas já que tudo aquilo era verdade, agora era hora de aproveitar os louros da conquista.

Ao folhearem os jornais matutinos, eles começaram a perceber exatamente o que acontecera nos últimos 30 dias, mas não conseguiam se lembrar de nada sobre o que eles realmente fizeram durante esse tempo.

Era hora de se vangloriar sobre a atual gestão, que o clube não precisava de parceiros, que a conquista era fruto total de ambos, pois foram eles que seguraram o velho Phill, que não gastaram muito, mas foram campeões.  Comportamento totalmente oposto da gestão anterior, que segundo eles endividou o clube demasiadamente e não conquistou nenhum título.

Já no carro de bombeiros que desfilou pela chuvosa manhã de 12 de julho de 2012 pela cidade de São Paulo, uma garoa fina e gelada caia do céu, da mesma forma que a conquista daquele título. As gotas frias e geladas, como que como um despertador, começou a acordas vários jogadores daquele estado misturado entre euforia e letargia.

Jogadores como Maurício Ramos, Leandro Amaro, Juninho, Bruno, Márcio Araújo, João Vitor, Daniel Carvalho, Luan, Artur, Valdívia e Betinho, o autor do gol da final, comemoravam feito loucos. Eles sabiam que haviam feito algo grandioso e, ao olharem a reação da torcida e as suas últimas performances, todos eles se entreolharam, da mesma forma que B1 e B2 e, de forma telepática, tiveram o seguinte pensamento:

- O que aconteceu com a gente para que jogássemos como nunca antes em nossas carreiras? Não sei, só sei que somos campeões, então vamos comemorar e aproveitar o momento.

Ao chegarem ao Centro de Treinamento, por volta das 10 horas da manhã, ainda continuaram a comemoração. Como a grande maioria não dormiu nada à noite, havia uma mistura entre sonho e realidade por parte daqueles rapazes, que estavam totalmente extasiados com aquele repentina sensação de conquista, de poder, de força.

Ao chegarem em casa, Arnald, Robert, Cesar e todos os jogadores receberam via e mail a seguinte mensagem:

Após essa conquista maravilhosa, tenho convicção que tudo foi possível devido vocês confiarem em mim e acreditarem em tudo que eu falei, incentivei, briguei por vocês e, principalmente, por terem tomada uma pílula verde que eu pedi para vocês tomarem.

Alguns tomaram sabendo o que estavam tomando, outros não.

Sem essa pílula, todos estaríamos sofrendo as consequências de mais uma eliminação e as pressões que todos temos passado nos últimos anos.

Sei que sem essa pílula não estaríamos comemorando esse título e que ele tem efeito de curta duração.

Para sair da zona de rebaixamento teremos que utilizar de outros recursos para fazerem vocês renderem mais do que vocês são capazes.

Espero que confiem em mim por mais seis meses.

Agredeço à todos pela confiança depositada.

Agora desfrutem desse vídeo para todos terem noção do feito que todos vocês fizeram e que para muitos, mesmo daqui há muitos anos, não terão a real noção de como foi possível conquistar esse objetivo.

Obrigado

Coach Pill



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…