Pular para o conteúdo principal

Palmeiras 1 x 1 Vasco : Meio Cheio ou Meio Vazio?



Amigos Palmeirenses, como já lemos, falamos ou escrevemos, estamos nos acostumando a chamar nossa torcida de bi polar.
Avaliando a nossa reação após a péssima partida contra o Atlético Mineiro e depois o grande jogo contra o Grêmio e o bom jogo de ontem contra o Vasco da Gama, acho que esse é o momento de aprofundar o debate.
Por que temos esse comportamento bi polar?
Se ganhamos o copo está meio cheio, se perdemos, o copo está meio vazio.
Os vários matizes que percorrem esses dois extremos variam muito de acordo com as expectativas e que cada grupo de torcedores enxerga e os sintomas da bipolaridade começam a surgir, até que em poucos segundos a epidemia novamente se espalha pelas arquibancadas, redes sociais, grupos de discussão, conversas de amigos, e perde o controle, impregnando todo o inconsciente coletivo da nação Palmeirense.
Na minha opinião o principal motivo desse comportamento é que o time do Palmeiras está exatamente com o copo pela metade e isso acaba sendo a causa de todos nossos transtornos.

O copo meio cheio:
Temos um dos melhores técnicos do Brasil, somos uma das maiores torcidas do Brasil, somos um dos times que mais títulos conquistou no futebol brasileiro, temos uma das maiores cotas de TV, somos patrocinados por empresas de nível global, estamos construindo uma moderníssima Arena, temos Barcos, Henrique, Marcos Assunção, aguardamos eternamente a “volta” de Valdívia a mais de dois anos.


O copo meio vazio:
Temos um dos piores presidentes e vice- presidentes da história, o Palmeiras está perdendo espaço na mídia por falta de títulos,  a gestão do futebol está ultrapassada, não temos profissionais competentes para cuidar da marca Palmeiras, das categorias de base, dos bastidores, da contratação de jogadores,  contratamos jogadores medianos ou apostas por falta de visão estratégica.


O que faz nosso estado de humor variar do otimismo para o pessimismo?
Os resultados em campo, de acordo com os dois pontos de vista acima.
Como o mesmo time que perde de forma tão passiva como contra o Atlético Mineiro e consegue fazer dois jogos tão bons contra Grêmio e Vasco?
Só porque o Marcio Araújo saiu do time? Muito pouco não acham?
Aí começamos a esclarecer as dúvidas.
Temos uma boa defesa. Nenhum time do Brasil tem uma defesa muito melhor do que a nossa.
Temos dois laterais que já jogaram muito mais do que estão jogando, portanto podemos exigir mais do que a atual performance.
Conseguimos solucionar o problema da marcação do meio campo com Henrique no lugar do Márcio Araújo.
O ponto crítico é a falta de jogadores de melhor qualidade do meio de campo para frente.
Valdívia continua devendo desde sua volta e talvez possa encerrar seu ciclo do Palmeiras como  “O Jogador que Foi sem ter Voltado “. Isso dá título de filme de Hitchcock não é?
Os dois jogadores de lado de campo são limitados e vivem  mais de baixos do que altos.
Temos um grande centroavante, Hernan Barcos, que desde a venda de Vagner Love, mais um que foi sem nunca ter voltado, tem presença de área e faz gols.
Se o time joga com empenho, dedicação e os jogadores medianos fazem um jogo bom, o copo fica meio cheio. Exemplo:  jogos contra Grêmio e Vasco.
Se o time joga com falta de empenho, de dedicação e os jogadores medianos fazem um jogo ruim, o copo fica meio vazio. Exemplo : jogos contra Atlético Mineiro e Guarani.
Portanto, vamos aguardar para que nos próximos 3 jogos da Copa do Brasil os jogadores repitam a performance do jogo contra o Grêmio e desta forma poderemos ser campeões  no único tipo de torneio que equipes com o nível de jogadores do Palmeiras pode conquistar. Esse tipo de time tem prazo curtíssimo de validade. Muito em breve o prazo vai expirar. Diria que no máximo em 1 mês. Dessa forma o copo pode até encher e transbordar por curtíssimo prazo.
Para torneios longos com o Brasileirão, não vai dar para manter o nível da partida contra o Grêmio em mais de 20 jogos. Não temos elenco nem time para isso. Se não contratarmos mais jogadores de qualidade do meio para frente o copo nunca vai passar da metade e corremos o risco de ver o copo totalmente vazio. Ainda mais a menos de 8 meses das próximas eleições presidenciais.
Dessa forma temos que torcer muito para que o título da Copa do Brasil possa se tornar uma realidade, assim poderemos atrair mais renda, visibilidade, força moral e, com isso, atrair mais jogadores de qualidade para jogarem no Palmeiras.
O copo nunca vai ficar meio cheio, talvez sempre ficará meio ou totalmente vazio, enquanto os atuais dirigentes e a forma de eleger o presidente e de fazer política dentro do Palmeiras permanecerem da forma que está.
Os atuais grupos  progressistas como o Fanfulla sempre enxergarão o copo cheio pois sabem do enorme potencial que essa fortíssima marca Palmeiras pode gerar para todos os envolvidos no processo de transformar e manter o nosso amado time no topo da pirâmide do futebol mundial.
Sempre enxergaremos o copo cheio, mesmo que por alguns momentos seja somente com nossos corações alviverdes, que sempre pulsarão na vibração da:
 Torcida que canta e vibra
Por nosso alviverde inteiro
que sabe ser brasileiro
 ostentando a sua fibra
Palmeiras!!!
Palmeiras!!!
.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…