Pular para o conteúdo principal

War : Império Palestrino




Para quem tem cerca de 35 anos com certeza teve a oportunidade de jogar o jogo War.
3 contra 1 Dudinka
2 contra 2 Vladivostoky
1 contra 2 Sumatra e Bornéu
Conquistar Europa, América do Sul e Oceania
O jogo mais legal era jogar em dois ou três colegas com o objetivo de conquistar o mundo. A sensação de vitória era muito boa, parecia que eu tinha ganhado um Clássico contra os Gambás.
Com certeza eu aprendi toda a geografia dos países e continentes através desse jogo, muito mais do que nas chatas aulas de geografia que tínhamos na escola.
Depois veio o War II, que tinha ataque de avião e os centros estratégicos. Também joguei essa versão, mas nada se compara à primeira. Dando uma olhada na internet verifiquei que existem também as versões War Edição Especial, War Júnior e War: Império Romano. Quando eu vi essa versão, me veio o insight que faltava para o post semanal.
A ideia original deste post foi a aprovação do Código Florestal no Congresso Nacional de acordo com os interesses dos ruralistas. Você pode estar perguntando: o que tem a ver o Código Florestal com o jogo War?
Vamos começar a costurar os dois temas e chegar numa conclusão.
A aprovação do Código Florestal foi uma estratégia muito bem montada pela bancada ruralista, que buscou atender aos seus interesses e agora a Presidente vai ter que decidir se aprova do jeito que está, que será um crime ambiental igual aos desmatamentos da Amazônia, ou vai vetar o voltar o projeto para novas rodadas de discussão no Congresso Nacional.
Comecei a imaginar como o Congresso Nacional se parece com o conselho do Palmeiras e fazer algumas comparações e hipóteses:
 - Ambos possuem interesses próprios acima de um ideal para o País ou Clube.
- Ambos estão sem credibilidade com a população.
- O nível da grande maioria das pessoas que fazem parte das duas organizações não condiz com a grandeza que as casas merecem.
- A grande maioria busca se eleger,  mas não busca  trazer ideias progressistas.
- O Congresso já teve, e o Palmeiras ainda tem, deputados e senadores biônicos.
- Dois partidos retrógrados que se alternavam no poder sem trazer ideias progressistas para o centro do debate.
No campo das possibilidades, imaginei se a eleição para presidente do Brasil fosse indireta e com barreiras para se candidatar.
Quem poderia ter sido presidente ou ser o atual do Brasil?
Jáder Barbalho
Renan Calheiros
Michel Temer
José Dirceu
José Sarney (reloaded)
Roberto Jefferson
Será que o Brasil estaria na situação atual de protagonista no cenário Mundial com estes comandantes?
Qualquer semelhança com a hipotética situação acima com o estado atual do nosso amado Palmeiras não é mera coincidência. O grande motivo de estarmos nesta situação de coadjuvante no cenário nacional e por estarmos em busca do Elo Perdido é a qualidade e os reais interesses da grande maioria dos conselheiros que atualmente constituem o Conselho Deliberativo e Fiscal do Palmeiras.
Todas as atuais forças políticas que habitam conselho do Palmeiras me fazem lembrar Arena e MDB.
War: Império Palestrino


Está surgindo uma nova categoria de conselheiros, incluindo o Fanfulla, e sócios que estão querendo trazer ideias progressistas e de renovação dentro do conselho do Palmeiras e colocar o Palmeiras novamente como protagonista do futebol Mundial.
Se o Palmeiras fosse um País eu creio que seríamos uma nação igual a origem dos nossos fundadores, a Itália. Um País próspero com pessoas e ideias que influenciaram o mundo ex: Renascimento, Anarquia, Vaticano, Ópera, Dante Alighieri, Michelangelo, Da Vinci, Galileu Galilei, Fellini, Antonioni, La Pasta, La Pizza etc..
Talvez o Palmeiras atual também pode ser comparado com a Itália mas com tempero de Argentina e Venezuela. A Itália deixou uma só pessoa tomar conta do País fazendo inúmeras bobagens, denegrindo a imagem do País em nível mundial. Seus comandantes se acomodaram com sua belíssima história secular, com as benesses de uma posição de protagonista dentro do G8 da economia mundial,  mas que atualmente está em queda livre em todos os sentidos.
Voltando ao início do post e para fechar meus devaneios.



No momento, se somos o exército verde de conselheiros que quer conquistar a Itália, temos que atacar no 2 contra 8 e a chance de conseguir conquistar o País será muito difícil. Esse exército vai crescer a cada eleição no conselho e o número de soldados já está crescendo. A Chapa Própria do Fanfulla já é uma realidade. Em muito breve iremos brigar no 8 contra 8, vamos ter perdas mas tenho certeza que no final, como dizia Gandhi, “quem tem o verdadeiro amor e genuíno interesse no bem maior sempre vencerá”.
Muito em breve iremos conquistar o Palmeiras com nossos exércitos verdes e nunca mais ninguém vai conseguir atacar e conquistar nosso clube para utilizar essa fortaleza para seus interesses próprios.
Quando olharem para o número de soldados verdes que estarão transbordando, pulsando e vibrando dentro do território Verde, os dados estarão de volta às nossas mãos e teremos tantos soldados à disposição que iremos jogá-los até a eternidade sem deixar ninguém mais jogar. Iremos recuperar os dados para nunca mais perder a Hegemonia do Palmeiras no cenário Mundial, transformando-se na futura Super Potência da Bola.

















Comentários

  1. Muito bom Marcelo!

    em relação ao trecho que diz "conquistar o Palmeiras com nossos exércitos verdes e nunca mais ninguém vai conseguir atacar e conquistar nosso clube para utilizar essa fortaleza para seus interesses próprios" só lamento que o Belluzzo esteve com os dados nas mãos e uma grande chance de vencer uma das principais batalhas e deixou escapar...

    verdaços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…