Pular para o conteúdo principal

Em Busca do Elo Perdido


Na última quinta feira, depois de mais um dilúvio em São Paulo, os pré-candidatos ao conselho do Palmeiras para 2013 se reuniram no clube para uma reunião preparatória para a Assembleia do Grupo Fanfulla, que seria realizada no sábado 14/04/2012.
Momentos antes de iniciarmos a reunião, eu me dirigi ao Jota e o fiz uma pergunta visando explorar o vasto histórico que ele possui sobre o Palmeiras:
Marcelo: “Jota, o Palmeiras era uma das maiores potências esportivas até a metade da década de 70, qual o motivo dessa decadência?  Onde está o Elo Perdido?
Jota : “ Marcelo, é só você olhar a foto da diretoria no final de 1976 e a foto do início de 1977. Somente uma pessoa que não estava na foto de 76 aparece na foto de 77. Os demais diretores são os mesmos. Você consegue imaginar quem é esta pessoa? “
Não quero e nem preciso mencionar o nome desta pessoa que se tornou alvo de ódio mortal dos verdadeiros Palmeirenses e que foi o responsável direto por toda a decadência dos últimos 30 anos que o nosso amado Palmeiras sofre até os dias de hoje.
A pergunta que me vem quando escuto fatos como os acima citados pelo Jota e que o Cyrillo já havia dito na Assembleia do Fanfulla em 2010 é como uma única pessoa pode ser a responsável por todas as transformações que o Palmeiras sofreu nas últimas décadas?
Ninguém faz isso sozinho e sim com parceiros que avalizam a situação. Também esses fatos só puderam ocorrer porque havia um espaço a ser ocupado e não houve outras lideranças capazes de fazer frente à esse corrente nefasta que está impregnada no espírito do Palmeiras desde essa época.
Passadas 48 horas da conversa e das reflexões da última quinta feira, no dia de hoje tivemos a oportunidade de participar de mais uma Assembleia do Grupo Fanfulla, visando definir se seria lançado a Chapa Própria em 2013 ou em 2015.
Durante os 120 minutos da Assembleia, foi possível sentir a energia pulsante dentro do Teatro Comunne. Creio que não teria local mais apropriado do que um teatro para podermos apreciar a apaixonante performance de mais de 50 Fanfullistas debatendo em alto nível suas ideias,  opiniões e, principalmente, seu amor incondicional à essa potência imensurável de paixão chamada Sociedade Esportiva Palmeiras.



Nietzsche em uma de suas obras primas chamada “ Assim Falou Zaratrustra “, no página 48 , capítulo,  Do Ler e Escrever, assim escreve:
“ De todo o que é escrito só me agrada aquilo que uma pessoa escreve com seu sangue. Escreve com sangue e aprenderás que o sangue é espírito. Quem escreve com sangue não quer ser lido, mas decorado. Nas montanhas o caminho mais curto é o que medeia de cimo a cimo, mas para isso é preciso ter pernas compridas.”

Hoje os mais de 50 Fanfullistas escreveram com sangue verde e branco uma parte da história do Palmeiras que em pouco tempo se tornará emblemática. Todos nós demos juntos um gigante passo de pernas enormemente compridas, caminhando de cimo a cimo, levando dentro de nossos corações o gigante Palmeiras que nos fez sair das arquibancadas para fossilizar nossa alma na história do clube.


Parabéns ao Jota, Front, De Martino, Ferracini, Pasquallini, Conrado, Nespoli, Cunio, Marcio D´Andrea, Paulo Fortuna, Rodrigo e aos demais presentes pelo grande ato de Palestrinidade que todos demonstraram no dia de hoje. A data de hoje já entrou para a história do Palmeiras. A Chapa Fanfulla em 2013 já está lançada e terei muito orgulho em me candidatar pela primeira vez ao cargo de Conselheiro do Palmeiras em uma chapa com Palmeirenses de sangue tão nobre.



Estamos quebrando lentamente, mas com muita intensidade, o status quo que ainda hoje habita o Palmeiras. O espaço para conduzir este gigante ao seu caminho de glórias está novamente pedindo para ser ocupado e, principalmente, sendo criado pelos verdadeiros Palmeirenses. Eu tenho certeza que todos os que participaram desta decisão histórica serão responsáveis, juntamente com os milhões de verdadeiros Palmeirenses, em resgatar o Elo Perdido em 1976 e forjar com ferro, fogo e sangue verde e branco a indestrutível corrente de vitórias chamada Sociedade Esportiva Palmeiras. Caminhando de cimo em cimo com a perna e a alma gigantes, iremos em muito breve voltar a trilhar o caminho de glórias que esse clube foi predestinado desde o primeiro milésimo de segundo da existência humana na terra.




Palmeiras meu primeiro amor!!!!




Comentários

  1. Grande habilidade assertiva do autor...

    Avanti Palestra, fino alla morte.

    ResponderExcluir
  2. Para mim o Palmeiras só mudará de verdade quando algumas etapas se concretizarem, são elas:

    1. Não eleger mais vitalicios.
    2. Oxigenar o CD, novas cabeças, novos palmeirenses.
    3. Eleger um Presidente com comprometimento as mudanças.
    4. Trabalhar unidos por uma ampla e democratica Mudança Estatutária, só assim acabaremos com os conjavos politicos onde a troca (cargos x votos)é prioridade e não o PALMEIRAS.

    enquanto as leis do Palmeiras forem estas qualquer boa gestão terá tempo de validade, vide administração Belluzzo onde foi resgatado a marca PALMEIRAS perante a midia, publicidade e seus torcedores e que foi interrompida por politicos que nunca estiveram preocupados com o PALMEIRAS Futebol e sim com os beneficios pessoais que todos tem sendo Diretor de alguma coisa ali dentro.

    Toninho Blanes
    Conselheiro PALMEIRAS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…