Pular para o conteúdo principal

Um grande passado pela frente?

Li nesta semana um provocante livro do autor Mario Sergio Cortella , Qual é a sua Obra? ( Editora Vozes,2011). O livro fala sobre inquietações propositivas sobre gestão, liderança e ética. Recomendo esta leitura como reflexão pessoal e que se aplica em vários segmentos da nossa vida. 

Em várias passagens do livro eu efetuei uma análise sobre meus comportamentos e valores éticos, em quais áreas me considero que estou alinhado com meus princípios e outras que temos que efetuar reflexões e/ou possíveis inflexões na nossa forma de pensar e agir.

Levando os ensinamentos deste livro para o Futebol, um capítulo em especial me chamou muito a atenção, parte dele pelo histórico recente e parte dele pelo presente. O título do capítulo é : “ Um grande passado pela frente”.

Transcrevendo uma parte do capítulo:

 A armadilha do mesmo

O mesmo o tempo todo do mesmo jeito. Se você não tem medo do mesmo, é melhor começar a ter. Tem gente que não consegue avançar em direção ao futuro e acaba ficando com um grande passado pela frente. É aquela pessoa que só quer mais do mesmo. E ainda cai numa outra armadilha. Ela se agarra ao passado e torna-se repetitiva.

É preciso saber separar duas situações: nem tudo que vem do passado é para ser descartado, há aquilo que vem do passado e precisa ser guardado, protegido, levado adiante. O que chamamos de tradição. Aquilo que vem do passado e precisa ser jogado fora, descartado, deixado de lado, a gente chama de arcaico. Deve-se trazer para o futuro aquilo que é tradicional  e deixar no passado aquilo que é arcaico. O arrogante tem uma fascinação pelo mesmo.

Gostaria que neste momento você como ser humano refletisse sobre os parágrafos acima transcritos e fizesse uma analogia das mensagens deixadas para nossas vidas em todos os seus segmentos: família, trabalho, vida social, torcedor, pai, líder, gestor.

Como este blog está voltado ao Futebol e Arte, o que podemos chamar de tradição dentro dos clubes de futebol?

O tamanho de sua torcida, as conquistas, a história, o valor da marca. Através desta tradição saber explorar este valor transformando em receitas,  ações de marketing, expandir a marca transformando-a em uma marca com apelo global, explorar o potencial capital humano dentro da sua torcida, etc. Potenciais para explorar a tradição não faltam.

Creio que a maior reflexão deve ser para o que estamos trazendo de arcaico para o tempo presente e futuro? 

A forma de chegar ao poder dentro dos clubes, a mentalidade arcaica de quem os administram, incluo nesta mentalidade arcaica também o pensamento de parte dos torcedores. O caminho do futuro é trazer jogadores e treinadores que fizeram história , mas que podem ter ficado arcaicos ?

Parte de nós torcedores e dirigentes estão realmente com o pensamento no futuro ou somente estão,  inconscientemente, almejando um Grande Passado pela Frente tanto em nossas vidas como para as instituições na qual convivemos, influímos e gerimos?

Transcrevendo a parte final do capítulo:

Há gente muito satisfeita consigo mesma, porque julga deter o modo bom de ser. E acha que isso é liderar. Ele não consegue olhar a  outra pessoa como fonte de renovação. Cuidado com gente cheia de certeza. Gente muito satisfeita fica muito satisfeita consigo mesma e só fica fazendo mais do mesmo o tempo todo.

Guimarães Rosa dizia: “ o animal satisfeito dorme”.

Deixo estas frases finais a serem refletidas no nosso íntimo e que Presidentes, Vice Presidentes, Conselheiros, Treinadores, Jogadores e Torcedores de futebol reflitam se o que estão projetando para o futuro é no máximo um  "grande passado pela frente" ou se fazemos parte dos provocantes e revolucionários animais insatisfeitos.

Que futuro queremos construir?

Comentários

  1. Boas, Bense.

    Bom texto, creio que o jogo de ontem refletiu bem essa pergunta na cabeça dos torcedores, mas deveria realmente estalar na cabeça dos jogadores e dirigentes do Palestra.

    Sabe, ontem, dia 4 de setembro, por um instante, pensei que o gol sairia de pênalti no último minuto, or um instante...

    Parabéns pela reflexão!

    Adriano Paciello

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…