Pular para o conteúdo principal

O grande show do Ser humano na TV

Passei  as últimas horas desta sexta e a tarde deste sábado em frente à TV  zapeando pelos vários canais sempre em busca de programas que, de alguma forma, pudesse trazer algo de arte, cultura e aprendizado. 

Pra começar assisti o VT do show dos All Blacks sobre Tonga 41 x 10 na abertura da Copa do Mundo de Rugby, o terceiro maior evento de maior audiência global.  Os donos da casa não deram chance aos adversários, numa partida que demonstrou todas as habilidades da equipe neo zelandesa. A performance dos All Blacks pareceu um grande balé pelos gramados, as sincronias na troca de passes em velocidade, a grande movimentação, os jogadores se entregando sem nenhum estrelismo. Esse  jogo está cada vez mais conquistando minha admiração devido à estratégia, empenho e principalmente à impressão de que todos estão lá por inteiro e não pela metade, como já disseram os Titãs na clássica Comida. Um show a parte é a dança tribal das duas equipes antes do jogo, The Haka dos All Blacks já é um patrimônio da humanidade. Essa cerimônia é surreal, pois junta em um mesmo momento os ancestrais do passado dentro de uma arena global conectando em um único momento todos os matizes do ser humano . Esse jogo ainda vai dar muito o que falar no Brasil. 

Na manhã e tarde deste sábado mais um show dos dois clubes de Manchester,  o  United sobre o Bolton por  5 x 0 e o City sobre o Wigan por 3 x 0 . Os dois times com 100% de aproveitamento em 4 jogos da Premiere League, seguidos bem de perto pelo Chelsea com somente 02 pontos de diferença. Da mesma forma que no Rugby, também é clara a dedicação, empenho e principalmente a alta performance das duas equipes de Manchester. Todos se entregando a cada jogada.


Por volta do meio dia, chegou a hora do meu All Black Label acompanhado de castanha de cajú para dar mais sabor e já com um grande pressentimento que a tarde prometia. Depois de alguns goles a conexão com a TV parece que saiu de uma ligação via fone para banda larga de alta velocidade e zapeando mais um pouco comecei a assistir Eu Te Amo, Cara. Um filme que pode passar despercebido para a grande maioria ,mas  não para quem gosta de rock and roll , principalmente do Rush.  Um cara que não tem muitos amigos e que tem uma vida ordinária que está em busca de um maior sentido para sua vida. Durante sua peregrinação ele encontra Sydnei que o coloca em outro patamar, vivendo um estilo de vida fora dos padrões estabelecidos na sociedade moderna e resgatando da alma do protagonista do filme a alma do rock and roll através do Rush. A cena dos dois assistindo ao show com a trilha sonora de Limelight é muito legal . Quem tem a alma do Rock e vai aos  show vai vibrar muito tendo ao fundo a Santíssima Trindade ( Geddy Lee, Neil Peart e Alex Lifesson).  


Embalado pelo filme e depois de uma saborosa feijoada, volto pra casa e assisto em alto e bom som o DVD do Rush Exit... Stage Left, a santíssima trindade no seu auge. Tom Sawyer, Red Barchetta, The Trees, Xanadú , Limelight , YYZ e uma música que para mim é uma obra prima chamada Free Will e seu refrão filosófico:

 You can choose a ready guide in some celestial voice.
If you choose not to decide, you still have made a choice.
You can choose from phantom fears and kindness that can kill;
I will choose a path that's clear-
I will choose Free Will.


Como no filme, minha mulher foi Rushnized após esta seção.

 Minutos depois, com a mão no controle remoto e já em estado de êxtase, embalado pela leveza do ser mas totalmente sustentado pelas obras do Rush, que Milan Kundera me perdoe,  assisti a um show de tênis na semi final do US Open entre Djokovic e Federer. Um jogo de viradas, de superação, dedicação, emoção. Após fazer 2 x 0 , Federer cede o 2 x 2 e no quinto set, Federer faz 5 x 3 em um break point, faz 40 x 15 sacando com 02 match points a favor, Djokovic faz o inesperado e consegue o break e fecha em 7 x 5 no quinto set. Que jogo!! Emocionante. O ser humano se superando, mostrando o quanto é capaz, que tudo pode acontecer, que a vida é cheia de possibilidades, como já escreveu Neil Peart, um dos Deuses da Bateria e da poesia do rock.

 Como o ser humano em sua plenitude consegue transmitir para toda a humanidade e toda a eternidade sua grandeza, infinidade de potenciais, criatividade, deixando em todos uma sensação que podemos muito mais do que já fazemos, estimulando nossos sentidos e percepções, transformando uma mera tarde de sábado em um espetáculo da humanidade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…